terça-feira, 22 de setembro de 2009

Minha noite




Minha noite

No escuro abro meus olhos
Para ver as cores
Que a luz não tem.

À sombra que assombra
A assombração dos meus medos
Deixo acessa
A luz do corredor
A claridade dará um jeito nela.

Cretina!
Maldita luz que
Escondeu o meu silêncio
Expondo o grito que me cala
No verso que me corrompe
Escondida
Embaixo da escada.

Fico perdida entre
O despertar precioso
E o sonhar doloroso
Dentre as coisas proibidas
Desse mundo de breus insondáveis
Invadido de pontos em cores
Quando, assustada
Fecho os olhos
A me esconder mais uma vez

São estrelas da minha cena
Por trás da cortina negra da noite
Ocultadas na coxia dos meus delírios
A tragicomédia da minha escuridão.
O espetáculo dos horrores
Da minha noite,
Da minha inércia,
A minha solidão.


Adriana Kairos

4 comentários:

Rafaela Dutra disse...

[...] São estrelas da minha cena...

Quer saber??? Vc é quem é a estrela de várias cenas! Muito lindo esse texto; as frases... A foto então, perfeita! É sempre bom vir aqui... Pois há, sempre, algo de bom!
bjão lindona!

GILBERTO D'ALMA disse...

Que coisa!
Mexeu com teatro, mexeu comigo né!!!

Leandro Fonseca disse...

belíssssimoooo! sem comentários! estupendo!

Selma Araújo disse...

Profundo!
Belo!!
Demais!!!

Beijinhos :)

Selma

"Às vezes, tenho a impressão de que escrevo por simples curiosidade intensa. É que ao escrever, eu me dou as mais inesperadas surpresas. É na hora de escrever que muitas vezes fico consciente de coisas, das quais, sendo inconscientes, eu antes não sabia que sabia."

Clarice Lispector