quinta-feira, 25 de junho de 2009

Conjugando desigualdade


Conjugando desigualdade


Nos é ensinado assim:

Eu sou a autoridade e com a minha pistola na mão digo que
Tu é vagabundo, pivete, semente do mal, fa-ve-la-do do caralho! Ele sim, tu tá veno?
Ele é trabalhador. Homem bom. Deu emprego pra muita gente ai, na eleição passada.
Nós somos cidadãos de bem. Guardiões da moral e da ordem. Não somos como vocês: baderneiros, barulhentos, dançadores de funk... Música do inferno.
“- Cabo Silva, pode levar esses merda ai tudo. São tudo bandido e acabo”.

O presente é indicativo da intolerância
Do preconceito radicado em nossa cultura
Num pretérito imperfeito da nossa história.
História que nos ensina a conjugar adjetivos
Malditos
De realidades que queremos
Mas que não sabemos
Ao certo
Como comutar
Ou não queremos... Não sei.
É que alguns de nós
Dos seres periféricos
Deixaram-se vender sem perceber
E apesar de crerem estar normativamente
Errada a forma como nos é imposto
O breviário das coisas dos nossos dias
Repetem em alta voz
O discurso alheio,
O do “cidadão de bem”;
Ainda que a estranheza dessa fala
Corroa-lhe por dentro.
O futuro do nosso presente
Apenas se tornará um simples
Presente perfeito
Composto, dentre outras coisas,
De igualdades de direitos
Quando, enfim,
Aprendermos a conjugar o verbo
Lutar!
Enquanto isso,
Qualquer divagar
Não passará mais que
Um suspirar poético de um pensar
Antigo e fresco
Do insistente querer de justiça.
Nada mais.



Adriana Kairos

5 comentários:

ANEVIVI disse...

Adri, você me surpreende a cada dia. Parabéns.

Mariano P. Sousa disse...

Ôi Adriana menina!
Incrível e verdadeiro seu desabafo em forma de texto.
Assim a carroagem está andando!B
eijos!

Gledson Vinícius disse...

olá minha querida, esse será que posso enviar esse seu verso para minhas redes sociais???? ele é revelado de mais!!!

Leandro Fonseca disse...

Dri, se blog é demais.
E lendo a tua poesia, me dei conta de que não adianta termos ótimos políticos no poder: a revolução tem que começar pelo povo.

beijo grande!

Leonardo valladares disse...

Quero deixar registrado que a minha amiga é DEZZZZ!!! E sempre disse que ela é uma escritora NATA Mareense. Gosto de tudo que vc escreve,fico feliz por vc estar hj na UFRJ fazendo aquilo que mais gosta: LETRAS & ESCREVER CONTOS. Beijitosss!!

"Às vezes, tenho a impressão de que escrevo por simples curiosidade intensa. É que ao escrever, eu me dou as mais inesperadas surpresas. É na hora de escrever que muitas vezes fico consciente de coisas, das quais, sendo inconscientes, eu antes não sabia que sabia."

Clarice Lispector