segunda-feira, 3 de agosto de 2009

O menino voador


O menino voador


Atirou-se do alto daquele girassol
Em suave e vertiginoso vôo.
Abriu o peito para planar
E as mãos em conchas a moedar
Dançando por entre as correntes de brisas
Deixando-se levar
A seus delicados e sovinos sabores.
Céu azul
A retina cisma cinza.
Luz amarela do sol
No amarelo dos olhos do menino voador
No amarelo dos dentes
Da sede que racha a boca.
Amarela é a fome
Que teima lhe fustigar.
A cola amarela febre
Do pó, da pedra e do chão
Sopraram-no ao girassol
Do esconderijo perfeito.
Viadutar.

Voa, menino, voa!
Com seus olhos de achar
Liberdade e abrigo
Pois comida não há.

Voa, menino, voa!
Com seu olhos de despertar
A minha mediocridade, menino;
O meu não saber o que te dizer

Enquanto voas
Corro contra o tempo
Do meu bom relógio
E ele, apontando-me um braço cocho,
Trabalha contra mim.
O teu tempo é o agora,
Porque existem coisas
Que não se podem esperar.

Faço questão de não vê-lo planar
Não me interessam seus ares
Fecho o vidro
Atravesso a rua
Olho para outros céus
Azuis.
Não gosto de cinza.

Ignoro a vertigem da sua queda
Aquela anunciada por todos.
Manchete da tv
Que a todo momento
Vem mostrar
O miserável daqui.




Adriana Kairos

5 comentários:

Rafaela Dutra disse...

[...] Porque existem coisas
Que não se podem esperar.


Com ctz Adri... São as urgências da vida!

Lindo como sempre amiga!
bjãoooooooooooooooooooooo!

Leandro Fonseca disse...

adri, mais uma vez você conseguiu me levar para dentro do seu texto! lindíssimo! te adoro horrores! beijãoooo

Nilson Barcelli disse...

Querida amiga, mais um magnífico poema. A excelência da sua poesia é uma constante. E já me repito... mas não tenho mais palavras para elogiar tanta capacidade criativa como a sua.
Um beijo.

Marcelo :. disse...

Uma linda e poetica demonstração de nosso cotidiano, onde inocentes tornam-se invisíveis a nossos olhos, pequenas vítimas sonhadoras.
Parabéns!

leonardo fernandes disse...

Saiba que estou estupefato e extremamente emocionado com essa linda poesia!!!! Pois vivemos em determinados momentos de nossas vidas em dimensões diferentes, dimensões essas que só percebe quem é extremamente sensível ao mundo no qual vivemos, mundo este em que os próprios homens estão fazendo o favor de destruí-lo aos poucos, se eles tivessem um milímetro da sensibilidade que você têm guando escreve as suas poesias,com certeza "O MUNDO SERIA MELHOR PARA TODOS". Beijosss daquele que sempre irá admirá-la, meus parabéns!!!!

"Às vezes, tenho a impressão de que escrevo por simples curiosidade intensa. É que ao escrever, eu me dou as mais inesperadas surpresas. É na hora de escrever que muitas vezes fico consciente de coisas, das quais, sendo inconscientes, eu antes não sabia que sabia."

Clarice Lispector